1 de dez de 2009

Só nos sobrou do amor a falta que ficou!

É curioso como as pessoas podem ser cínicas (ou normais, depende do ponto de vista).
Fato é que relacionamento anda cada dia mais complicado, e as opções que nos são apresentadas não são as melhores (ou você trai ou é traído, ou você é a traída ou você é a outra), não fui eu que inventei, criei o relacionamento, mas acho que a ideia central de quem o fez não era essa. Uma competição acirrada que hoje infelizmente ganha quem engana melhor. Isso nos faz pensar se realmente vale a pena se doar, baixar a guarda, ficar vulnerável, pensar naquelas pessoas que raramente pensam em nós quando isso devia ser uma constante.

Ontem me disseram que hoje em dia depois de algumas cervejas as mulheres puxam os homens (que em geral mal conhecem) pela gravata e na lata dizem “eu e você no motel daqui a 5 minutos”, mas tipo, e depois? E as “ETs” querem um AMOR e não só sexo, que pensam que sexo é complemento. Agindo assim elas encontraram o que procuram? Se sentirão completas passando uma hora num motel com uma pessoa que a pouco era um estranho? Acho que não!

Quando é que o casamento se tornou uma instituição falida (ando bem desatualizada)? Lembro do tempo em que as pessoas casavam com o intuito de serem felizes pra sempre! Hoje? Casam-se pensando no divórcio, ninguém que se expor. Ninguém parece está disposto a ser verdadeiro. Será que então a traição ocorre por falta de veracidade do sentimento? Será que essa terceira pessoa é com quem conseguem ser mais naturais, sinceros? Mas se duas pessoas fazem uma aliança, um contrato prometendo sinceridade, prometendo cuidar, ser fiel e no meio do caminho a ideia central muda. O que irá sobrar para a terceira pessoa envolvida? A ilusão de um relacionamento que tem que ter hora marcada pra acontecer? Onde você tem que ter hora pra ligar, onde nos fins de semana você se torna uma pessoa solitária novamente por que o outro terá que cumprir com o contrato que já tivera se comprometido? É tudo muito estranho...
Ninguém quer ficar só isso é fato! Mas até que ponto vale ter alguém ou algum “compromisso”, quando não se há respeito nem empatia. Sobra apenas a aparência (e às vezes nem isso), por que em um dado momento até a presença física fica difícil. Ainda não sei por que certas pessoas fazem esse tipo de contrato. Vez por outra é muito melhor ficar só, do que ter alguém que exponha sua imagem, que te desrespeite ou que faça com que você se sinta só. Se se sente só, é por que já não está mais junto (isso é sério! O outro serve pra afastar esse sentimento)! É por isso que se expor nem sempre compensa!
Renato Russo costumava dizer que “o mal do século é a solidão”, e pense... É verdade!
Para calar sua voz muitas vezes vamos de encontro a alguns princípios, lutamos contra nós mesmos, nossa índole, moral, nosso senso de justiça. O pior é que apesar de lutar contra tudo isso, para suprir esse mal, no final ainda estamos sentindo, ele parece gritar. Analisando que o mal do século com todo nosso esforço para destruí-lo, continua, penso que algumas coisas realmente não valem a pena. O que é uma pena! Rs... Nunca é fácil se doar, mas todos nós oramos para poder um dia fazer isso! Imploramos por pessoas que valham a pena o esforço, a dedicação e que finalmente enxerguem o que ninguém parece ver, que esse alguém seja como uma recompensa por ter permanecido, pelo desafio de manter-se fiel.
Amor! Ê coisa rara!
Por hora... Só nos sobrou do amor a falta que ficou... (os anjos L.U)

"Você deve ser a própria mudança que deseja ver no mundo." (Mahatma Gandhi)

Karlinha Ferreira

Um comentário:

  1. eita essa mensagem ai é a pura realidade vi *
    parece até q pensamos igual kkkk

    AMEI..I MUITO BOM*

    DYNAH

    ResponderExcluir