24 de mar de 2015

Ausente...


Às vezes torna-se infinitamente mais reconfortante esperar ser surpreendido por alguém, principalmente quando este, nunca o faz. As coisas não deixaram de ser belas por que você não estava lá, a chuva não cessaria com sua presença, o sanduíche, as lojas, a cerveja, nada disso teria sabor, preço ou beleza diferente se você estivesse lá. Mas sua presença acrescentaria um brilho maior a tudo, brilho este, que eu não admitiria nem em mil vidas.
E assim é você, ausente. E assim permanecerá você, ausente.


Karlinha Ferreira