19 de jan de 2012

Passa...















Mesmo quando tudo está pesado demais, quando achamos que não vamos conseguir, penso que só precisamos respirar e tentar chegar ao fim do dia firme, embora que por dentro estejamos desabando.  

Viver um dia de cada vez, e não há dor tão forte que não se c ale em algum momento e não há ferimento tão profundo que um dia não sare, e se não sarar e se a dor não calar penso que teremos de aprender a conviver com ela e fazer com que o turbilhão seja contido.

Um dia de cada vez...  Tudo passa... Um dia de cada vez, e assim quem sabe chegaremos lá de um jeito nosso, lidando com o turbilhão da nossa forma, e por nossa conta.
Em algum momento do caminho as coisas ficarão mais leves...

Karlinha Ferreira