31 de jul de 2013

Tempo


O tempo me ensinou que a gente esquece quando esquece de esquecer... Quando deixamos de forçar o coração a cicatrizar, quando deixamos nossos sentimentos de dor, tristeza e frustração se desgastarem por si só... Quanto mais nos forçarmos a esquecer algo ou alguém, mais nos lembramos  e esse sentimento fica a cada instante mais vivo.

E em um dia sem nada esperarmos descobrimos que já não sentimos mais, começamos a ver graça nos detalhes e somos meio que invadidos por um sopro de vida, sopro que veio como a cura que tanto almejávamos. Ela chegou justamente quando paramos de buscá-la.
O segredo está em não forçar, em dar ao coração o tempo que ele precisa para se curar, nosso coração tem um tempo próprio.

Ás vezes precisamos dar ao nosso coração o tempo que ele precisa para que ele possa sorrir novamente, num fim de tarde, ou um sorriso bobo ao andar pelas ruas da cidade... Afinal a dor é só nossa, o aprendizado, e o modo como iremos olhar para a história vivida são nossos, vez por outra é bom não ouvir tantas vozes, e apenas deixar o tempo passar, pois a recompensa por termos permanecidos fiéis ao sentimento, chegará.


Karlinha Ferreira

22 de jul de 2013

Carta


Hoje acordei otimista...

Com aquela sensação dentro do peito de que tudo pode dar certo, que o peso nos ombros pode ser tirado ou dividido... Acordei com ânsia de viver, com vontade de fazer tudo...
Confesso que queria vê-lo hoje pra ter um daqueles papos que durariam horas. Pra rir, falar bobagens, olhar as nuvens, tomar uma Stella ou um bom vinho.
Algo me diz que hoje da pra ser mais forte, sinto como se a noite tivesse me renovado, como se até ela estivesse cansada de me ver assim. O mundo está mais terno, hoje não sinto tremores, a cabeça não dói. A falta que sinto de você permanece, mas lembro-me da gente, do que vivemos, do seu olhar fixo pra mim, do seu olhar que consegue me ler, da sua pele, do seu cabelo... E do tom da sua voz, então, apesar da falta, sinto-me alegre em ter compartilhado um pouco de mim com você e saber que um pouco de você está aqui comigo, sinto uma ligação quase palpável. E isso soa tranquilo.
Não sei até onde a estrada vai nos levar, e sinceramente hoje não quero saber... Algo me diz que você está bem, que está mais leve, e que hoje nem seu corpo está reclamando da dor causada por sua tensão constante.
Gostaria de te ver dançando, de vê seus olhos brilharem... gostaria de um abraço seu, ou de um beijo para celebrar esse dia que sem motivo decidiu por si só ser bom, genuinamente bom, a energia da cidadezinha está clara e positiva.

Saudades... Esse dia divido com você por pensamento... Espero que a energia chegue aí.


Karlinha Ferreira

16 de jul de 2013

Das coisas que gosto


Gosto de quando gostam do meu cheiro, gosto de sentir a pele, a respiração e o gosto. Gosto de quando os batimentos cardíacos mudam, quando tenho alguém nos meus braços.

Gosto de sentir meus dedos deslizando pelos cabelos e o rosto...
Gosto de como reagem a mim e a meu toque. Gosto da mudança de respiração entre os corações enamorados.

Gosto dos risos soltos, das histórias sinceras e das tentativas de impressionar.
Gosto de quando gosto das coisas, filmes e pessoas. Gosto dos sabores, gosto de ler um bom livro, ouvir uma boa música, tomar um bom uísque, um bom vinho, ou nos dias quentes uma boa cerveja, gosto de conversar de peito aberto sem reservas e sem julgamentos.

Gosto de beijos demorados (tenho sérios problemas com beijos rápidos), gosto de carinhos, afagos, gosto de quem me compreende apenas com um olhar, está nos braços de quem me quer bem, gosto de ficar quieta olhando os desenhos nas nuvens, gosto do vento, da noite e da calmaria que me provoca, gosto de ser eu, apenas eu.

Gosto do diferente, gosto do que faz meus olhos brilharem, do que tira o fôlego, do belo que foge aos padrões, gosto de quem fica do meu lado só pra ver o sol nascer, de quem conversa durante a madrugada e de quem se mostra, confia.


Gosto da vida e das surpresas que ela me reserva, gosto da intensidade de viver bem. Gosto do prazer de desvendar cada dia e do jeito que mergulho no desconhecido, viver é arriscar-se, viver é encontrar prazer na vida que se tem.

Karlinha Ferreira