30 de jun de 2010

Noite!


Há quem diga que durante a noite tudo piora. As dores, as confusões, a solidão.
Sinto o oposto! Sinto que o dia que foi insuportável chegou ao fim e que continuo viva. Sinto que no silêncio quando todos dormem, ou ao menos se calam, é mais fácil sermos nós mesmos.
A noite me traz paz! Gosto do anonimato peculiar à noite!

Gosto do silêncio e da solidão! Gosto de estar apenas comigo mesma, ao menos algumas horas por dia! Ás vezes alguns minutos, alguns instantes, mas naquele momento ninguém me alcança, sinto-me entorpecida, é inebriante! Como se existisse um anjo específico para a noite onde eu pudesse ser quem sou!

Permito-me lembrar dos meus amores! Dos meus erros! Dos pecados que já desejei cometer e como arquitetava cada um deles! Das loucuras que nunca ousei fazer!
Se a noite for acompanhada por uma lua que nos sorrir, que é testemunha da minha insanidade, da minha solidão. Tudo melhora, tudo se encaixa! O cenário fica completo!
A noite é romântica, é poética!
Na noite tudo se completa, minha esperança é renovada a cada noite, não fosse por ela não teria forças para encarar o dia!

Choro durante horas no silêncio! Tenho sonhos que parece durar uma eternidade!
Uma liberdade gritante!
Parece surreal, mas é assim que vejo a noite...
Tranquila, misteriosa, solitária e minha!!



Karlinha Ferreira

23 de jun de 2010

Gil, Um ano sem seu consolo, sem seu sorriso, sem sua paz.



Um ano sem seu consolo, sem seu sorriso, sem sua paz.
A pessoa mais complacente, mais benigna, mais pra cima que já conheci. De fato esses 365 dias sem você não foram tão alegres, nem tão sãs, nem tão fáceis. Sinto falta da sua sutileza, do seu discernimento.
Sinto saudades dos encontros marcados pelo destino todos os dias no horário do almoço, ou pela manhã enquanto íamos para o trabalho. Sempre com aquele sorriso sincero, aquela paz inerente as pessoas que são fieis a si e ao que acreditam.
Obrigada por ter acreditado em mim.
Você me aproximou mais de Deus através da sua vida, do seu testemunho!
Sinto saudades meu grande amigo!
“Gil, não era ninguém. Mas nunca houve ninguém como ele.”

Karlinha Ferreira



21 de jun de 2010

OS DOIS LOBOS


Uma noite, um velho índio contou ao neto dele sobre uma batalha que acontece dentro das pessoas.


Ele disse:- Meu querido, há uma batalha entre dois lobos dentro de todos nós:Um é mau: é a raiva, a inveja, o ciúme, a tristeza, o desgosto, a cobiça, a arrogância, a pena de si mesmo, a culpa, o ressentimento, a inferioridade, as mentiras, o orgulho falso, a superioridade e o ego.

O outro é bom: é a alegria, a paz, a esperança, a serenidade, a humildade, a bondade, a benevolência, a empatia, a generosidade, a verdade, a compaixão, o amor e a fé.


O neto pensou naquilo por alguns minutos e perguntou:- Qual o lobo que vence?E o velho índio simplesmente respondeu:- O que você alimenta.


(Autor Desconhecido)

14 de jun de 2010

"Dois"


Nem sempre sabemos explicar o que sentimos.
Nem porque certas pessoas nos incomodam tanto...
A distância continua maltratando.

A dor, o sentimento de perda, um passado que assombra sempre que a solidão aperta...
Distancia... Incomodo. Raiva. Falta. Tristeza. Certeza. Conformismo.

É uma mistura de tudo que um ser humano pode sentir. Apesar da consciência de estar fazendo a coisa certa, de que tudo está voltando ao seu devido lugar, (mas) dói muito ainda.
Dói por que fez (faz) parte da nossa história. Por ter uma parcela de responsabilidade quanto a quem sou. É incomodo ver que todo mundo está em uma sintonia diferente da sua e que talvez só você tenha vivido tudo aquilo como vê, como lembra. Vivemos uma paixão e eles uma atração, um momento.

Embora saibamos mais que ninguém do quão doloroso é estarmos perto, de como é complicado manter uma relação, da falta de respeito e consideração com que nos tratam, ainda assim conseguimos olhar com bons olhos.

Não queria me senti assim hoje, todo mundo aparenta esta tão alegre, e vejo que talvez seja a única indiferente a todo esse encanto/magia.
Solidão... É incrível como todo mundo aparenta estar mais apaixonado e nós cada vez mais sós.
Saudades de ser “dois”! Embora que de fato “dois” nunca tenha existido. Mas gostaria da "solidão de ser só dois".
Uma vez amei...
Uma vez amei, julguei que me amariam
Mas não fui amado.
Não fui amado pela única grande razão — Porque não tinha que ser.
Consolei-me voltando ao sol e à chuva,
E sentando-me outra vez à porta de casa.
Os campos, afinal, não são tão verdes para os que são amados
Como para os que o não são.
Sentir é estar distraído.”

(Alberto Caeiro)



Karlinha Ferreira

9 de jun de 2010

"Gente/diferenças/benefício da dúvida"


O mundo anda meio que de cabeça pra baixo. Novas tendências surgem todos os dias, o que está na moda hoje não está amanhã e assim vai.

Junto com a evolução algumas coisas estão ficando mais normais em nosso cotidiano, casar grávida antes era um absurdo, hoje nem tanto, absolutamente aceitável. O Divorcio, relacionamentos abertos, relações homoafetivas. Todos fazem parte das coisas que é presente em nosso cotidiano hoje.

Em meio a tanta coisa nova ou a tanta coisa antiga que só estamos enxergando agora fica complicado saber como agir diante de tanta “mudança”.
Acredito que o importante é separar a promiscuidade das “tendências”. O respeito ao ser humano t em que está acima de tudo. Acima do que você julga certo ou errado. Enxergar além nem sempre é tarefa fácil, mas como vivemos em sociedade temos que tentar viver da melhor forma, e dar aquelas pessoas que julgamos ser desacreditadas o benefício da dúvida. Às vezes elas nos surpreendem.

Quando vemos além do que o nosso olhar preconceituoso nos proporciona e separamos o erro (para alguns, pecado) do ser, da pessoa, percebemos que são gente, gente como a gente que sofrem se frustram, se alegram, sonham e lutam todos os dias na tentativa de encontrar um amor verdadeiro.

Se dê a oportunidade de ouvir. As pessoas têm mais a acrescentar a você do que você pensa, basta parar e escutar sem julgar, afinal não existe ninguém perfeito e ser agradável, gentil e interessado pode nos trazer grandes benefícios.

Dê sempre o benefício da dúvida quando todos disserem o contrário, você pode estar precisando dele e nem saber. O controle do universo não está em nossas mãos, mas podemos ajudar para que o mundo seja um lugar melhor de se viver.


Victor Jara escreveu: “Primeiro afastam os traficantes, depois afastaram as prostitutas, depois de enxotarem os mendigos, espancaram os homossexuais, expulsaram os asilados e nos deixaram desconfiados e com medo. Não levantamos a voz, éramos discretos. Estranho que ninguém percebeu quando se viraram contra nós.”

Karlinha Ferreira