23 de ago de 2013

Amor


Todos procuram o amor, mas nem sempre aquele amor convencional, cheio de regras e imposições... Penso que a maior parte de nós espera por um amor amadurecido, aprendi que até o amor precisa de tempo para amadurecer e se livrar das amarras da possessividade.

Amor que ame apenas por amar, amor que não espera nada em troca, que se é dado por dar, por que faz bem. A recompensa é apenas vê o outro bem, e ficar bem tendo a consciência de que o outro não precisa de mim para ser feliz, doamos nosso amor não por que o outro precisa, mas por que amá-lo alegra os olhos e enche nosso coração. Vê o ser amado bem aquece a alma.

É raro ver um amor, que não obrigue o outro a viver nos seus moldes, penso que o amor imaturo é praticamente uma forma de prisão, é algo que restringe, limita e tira as asas do outro. Quem ama que ver o ser amado livre, se alegra em vê-lo voando alto, mesmo que nem sempre voe perto.

Amor se dá... É gratuito e livre de qualquer termo, ama-se por amar... O amor que nutrimos por alguém antes de qualquer coisa nos faz bem, faz com que nos sintamos em conexão com a energia que move o universo.
Ama-se com a alma, sem amarras, sem termos, sem medos...

“Porque eu sei que é amor eu não peço nada em troca”
(Titãs)
Karlinha Ferreira


P.S. Conversa boa, conversa à toa com alguém que também pensa assim...

13 de ago de 2013

Plural


Um dia de plural...
Quero pluralizar as alegrias...
Pluralizar o amor...
Quero o plural de todos os sentidos de um amor singular.
E sim, quero um amor singularmente pluralizado.
E assim, seguindo no singular desse amor que já é tão plural....
(Tão meu, tão seu, tão nosso)



(Karlinha Ferreira)