27 de out de 2014


Tenho ciúme. Detesto, mas sinto.
Quero você pra mim, mas não posso.
Quero te chamar de meu, mas você já tem quem o faça.
Quero que olhes pra mim com aquele brilho, com aquela paixão.
Quero sim que você se jogue, que não pense, que só sinta como funcionamos.
Ok! Não estou raciocinando direito, mas quem precisa pensar quando o coração só falta sair do peito?
Minha resposta pra você é e sempre será “sim”...
Não me questione, não faça planos, apenas sinta como seu corpo reage ao meu.
Viu como sua respiração muda? Viu como no fundo você não se importa em sentir?
É esse beijo que sela nossos encontros, são essas loucuras que nos une.
Não quero dar nome a tudo isso que sinto, não quero rotular o que não pode ter rótulo, mas não quero perder nenhuma chance de te ter.

Karlinha Ferreira

4 comentários:

  1. Uauuuuuuu... cada postagem você fica mais intensa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ^^que bom que gostou...

      Beijo grande...

      Excluir
  2. Eikedelícia! E tens toda razão: nada mais desnecessário do que tentar rotual aquilo que não pode (ou não precisa) ter rótulo... hehe! Bjocas, querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred, vc entende tudo... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Texto antigo, mas tá valendo...
      Beijão e eu estava morrendo de saudades do TPM...

      Excluir