29 de mar de 2011

...


Nosso coração é tendencioso ao engano.

Nem sempre conseguimos conciliar coração e razão. Ás vezes estamos tão desesperados por algo mais que nos esquecemos de medir e calcular o risco.

.

O que acontece é que é bom se sentir importante, é bom ver que mais alguém além de nós mesmos consegue vislumbrar a pessoa que realmente somos. Mas me questiono vez por outra, pois não sabemos até que ponto o outro de fato nos vê ou se é apenas uma “jogada”. Ora, se ao baixarmos a guarda há uma mudança de comportamento, aquele ser que era tão doce, tão amável, já não está mais tão presente, tão preocupado. Fico em dúvida em qual das faces acreditar.

.

Penso que conseguiremos alcançar a felicidade do nosso próprio jeito, sem subterfúgios. Que apesar dos fatoress externos tenderem a nos derrubar, a certeza de que estamos jogando limpo nos isenta de uma dívida com o mundo.

.

Há sempre uma chance para o amor, para se viver um sonho. Só precisamos ficar atentos, por que seríamos injustos se não déssemos uma chance para quem está conosco há tanto tempo, o processo da mudança é lento, mas se há quem queira mudar, então esse merece ao menos o benefício da dúvida.


♫Procuro um amor que seja bom pra mim♪

Gostou amarela?


Karlinha Ferreira

17 comentários:

  1. "Há sempre uma chance para o amor, para se viver um sonho."
    Tem que haver, Karlinha, caso contrário a vida não faria sentido.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  2. Ei, ei! saudade de tu!
    Eu sempre gosto de te fazer uma visita, sempre tem um ótimo café por aqui.

    Alcançar a felicidade sem subterfúgios...a felicidade realmente se alcança? sabe que me questiono e por vezes,comento,com alguns corajosos esse termo "alcança". Me parece que algo que se alcança perde a graça, o tesão acho que é a busca e os momentos felicíssimo que, não alcançamos, mas vivemos. Pode ser que eu esteja viajando, o que é bem provável rrsrsr, mas numa coisa eu tô contigo 100%, é sempre bom viver na busca ou compartilhar um encontro com alguém que se ama, ah! isso é!

    bjãO

    como é que tu tá?

    bjO de novo!

    ResponderExcluir
  3. Uma chance para o amor...Sempre...Beijos, Karlinha.

    ResponderExcluir
  4. Ola =)

    e eu digo o mesmo, é optimo ler o que escreves... Continua =)

    bjnhos **

    ResponderExcluir
  5. Oi Karlinha....


    O amor merece todas as chances...e aquele que quer mudar merece com certeza uma chance...e não o beneficio da dúvida....


    um grande bjo querida que eu gosto MUITO!


    zIL

    ResponderExcluir
  6. Oi Karlinha,

    Aposto tudo no amor maduro, com os imaturos apenas me divirto e revivo infância.

    Gostei da frase final, acho que é Frejat que canta.

    Obrigado por compartilhar, uma linda noite.

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  7. Ei, moça!

    Bom, aqui estou, cheguei montada nem foi num cavalo, e sim, em mula, pois faz tempo que venho vindo, venho vindo... mas nunca chego. Peço-lhe desculpas, passei por muitos vales, atravessei córregos, derrapei em ribanceiras.

    E, nesse tempo todo, lembrava-me da tua pergunta. Bom, eu nunca ouvi falar num bairro restrito a gays em alguma cidade da CA. Ou que seja, só de gays. Não acredito que exista isso por aqui. Creio que o que haja é só ficção, pois, a minha cidade, só como exemplo, é uma cidade feito San Francisco, conhecida como um ótimo lugar para se viver quando se é homossexual. Os casais andam abraçados pelas ruas, se beijam na boca, trocam carícias em qualquer lugar, numa academia, num clube, num supermercado... e não se ouve falar em qualquer ato homofóbico. Com certeza, deve haver, mas sequer há repercussão do fato. E não é hipocrisia, não é tolerância velada. Onde vivo, você anda com os óculos escuros do tamanho e da cor que você quiser, com a melancia que você quiser pendurada no pescoço e ninguém fala, sequer olha. Aqui, vigora o princípio "viva a tua vida e me deixe viver a minha". Só há intromissão, quando direitos de cidadania são violados. É o que vejo, o que percebo, em dois anos aqui vivendo. Escrevo sobre a minha cidade, não escrevo sobre o resto do país, falo do que sei. Quanto aos casos de adoção, creio se tratar, igual no Brasil, de casos não abertos ao público. O Brasil cuida disso, questões de família não são expostas a qualquer um (salvo se a própria família for aos jornais). O processo tramita em segredo de justiça. Eu saí do mundo jurídico, não posso lhe responder sobre as causas daí e sequer as daqui. Talvez, se você fizesse uma pesquisa na Internet, você viesse a encontrar algum caso que foi aberto ao público, por vontade da própria família de se expor.


    Quanto ao teu texto:

    Se formos amar preocupados com o sentir/pensar/desejar do outro, cairemos, com certeza, num círculo vicioso paranóico. Muitas vezes, nos precipitamos em julgamentos, e, acabamos por destruir buquês de flores. O ideal seria sentir o amor, vivê-lo, mas nossos pensamentos às vezes nos consomem... podemos estar certos em nossos julgamentos, mas também podemos estar totalmente equivocados.

    Beijos!

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  8. Karlinha,

    Voltei!
    Não se esqueça que "família" não é sinônimo de casamento. O conceito "família" é bem mais abrangente que o casamento entre um homem e uma mulher, que é ainda o único permitido no Brasil.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. E por isso que achai o meu já a algum tempo atrás. Agora caminho com firmeza para não perde-lo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Eu não consigo pensar em dar chance ao amor como se fosse algo obrigatório. Sempre que penso em chance, é como se não houvesse a possibilidade dele acontecer naturalmente, como se fosse preciso, necessário uma permissão.
    Eu amei e amo aquele menino que me encontra pelos caminhos que eu percorro e sei que estamos nos esbarrando e nos amando por diferentes razões, mas é natural e não é que nos permitimos, apenas não impusemos limites, barreiras ou nos preocupamos com as hipocrisias sociais que dizem que ele é mais velho e eu mais nova. Odeio isso. Acho que a gente precisa ser mais canino e amar por amar somente e sentir por sentir somente...
    bacio

    ResponderExcluir
  11. Pois é as vezes, na verdade quase sempre não é facil viver um grande amor, o mais dificil é encontra-lo eu aidna estou em busca porque ao meu ver só encontrei errados rs
    Isso que você colocou no final faz todo sentido ♫Procuro um amor que seja bom pra mim♪
    quando é amor ele vai ser bom enquanto não for bom não é amor xD

    ResponderExcluir
  12. Eu passo por isso todos os dias.
    Meu coração e minha razao sempre em conflito. Isso incomoda bastante

    ResponderExcluir
  13. Oi Karlinha,

    Acho difícil as pessoas mudarem, mas você tem razão: temos que dar uma chance, afinal, o amor é isso. Mesmo que não aconteça a mudança, o fato de se ter dado a chance a alguém que amamos, já modifica toda uma realidade.

    Um beijo

    Carla

    ResponderExcluir
  14. SIEMPRE LA VIDA, NOS DA UNA SEGUNDA OPORTUNIDAD...
    SOLO DEBEMOS CONSERVAR LA ESPERANZA, QUE MUESTRA A LA VIDA LO QUE DESEAMOS.
    SALUDOS AMIGA MIA

    ResponderExcluir
  15. Concordo plenamente com o que escreveste, a felicidade esta em nós, os sonhos que temos ninguém os pode tirar, por isso, temos sim que tenta-los realizar...

    Procura a felicidade em ti, só depois nos outros ;)

    Só assim serás feliz um dia :)

    Muito obrigado :)

    ResponderExcluir
  16. Hey Karlinha, adorei a postagem, não sei se é o coração que nos engana ou nossa razão que é traiçoeira, mas eu sou um dos que dizem sim ao sentir, ainda que doa um pouquinho. mas um pouquinho só, pq bastante é ruim. rs

    Um Beijo!!

    ResponderExcluir
  17. Amarela? Engraçado, quando ví isso chega tomei um susto. Tem uma pessoa muito especial que me chama assim...

    Ps: a junção das fotos que vc posta aqui são maravilhosas

    Amo.

    ResponderExcluir