9 de nov de 2011

O tempo ensina



Pai

Me perdoa essa insegurança
É que eu não sou mais aquela criança
Que um dia morrendo de medo
Nos seus braços você fez segredo
Nos seus passos você foi mais eu, eu, eu



Pai

Eu cresci e não houve outro jeito
Quero só recostar no teu peito (...)



Pai

Você foi meu herói, meu bandido
Hoje é mais muito mais que um amigo
Nem você, nem ninguém tá sozinho
Você faz parte desse caminho
Que hoje eu sigo em paz
Pai

(letra: Fábio Jr)


P.S. Depois que a gente cresce, a gente descobre que mesmo sem a assistência que sonhávamos, mesmo sem aquela vida aparentemente perfeita e igual a do  vizinho da casa ao lado, a gente aprende a ser feliz por nossa conta e do nosso próprio jeito. Os percalços no caminho ajudam a moldar nosso caráter, e descobrimos  que pai e mãe são humanos, gente como a gente, e que ás vezes eles também se perdem no caminho e depois não conseguem encontrar o caminho de volta, e passam a tentar fazer o melhor que podem. E é isso que me faz entender determinadas ausências, embora a alma ainda tenha lacunas a ser preenchidas, o mais importante acho que a prendi. Então continuo fazendo minha parte e tentando ser feliz do meu jeito e assim como eles (pai e mãe) tento fazer o melhor que posso.

Karlinha Ferreira

9 comentários:

  1. Ai que lindo! Nada como o amor que temos dos nossos pais, o que somos, devemos a eles! Aposto que seus pais estão cheios de orgulho de ti =)
    Bjnhos

    ResponderExcluir
  2. Eu perdi meu pai quando tinha 5 anos de idade e minha mãe fez o papel dos dois,assim a presença dele foi sempre muito forte, cresci com muito amor e carinho. Hoje, ela também não está mais aqui comigo...Tudo que sou devo a eles, aos seus ensinamentos.

    Linda homenagem!

    Estava sentindo tua falta.Bj!

    ResponderExcluir
  3. Joana,

    Lamento por suas perdas, mas pelo que vejo sua mãe fez um excelente trabalho... meus pais são separados e meu pai vei nos visitar (3 filhos) depois de 11 anos e a 6 eu não o via.
    Mas como disse no texto, a gente aprende a ser feliz por nossa conta e do nosso próprio jeito.

    ResponderExcluir
  4. E eu espero, que mesmo de longe, eu contribua na tua vida com momentos de alegria e amizade.

    ResponderExcluir
  5. Já contribui! Obrigada pela atenção e carinho...

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  6. Que trem mais lindo. Falou forte ao meu coração. Sério. Papai mora longe, e mesmo quando morava por aqui, a gente pouco se via, pouco dizia do amor que a gente sente. Esses dias ele entrou no me blog, leu os textos e veio conversar comigo, chorando, gostando de mim pelo o que escrevo. A vida é mesmo um a surpresa.

    Um beijo em você.

    ResponderExcluir
  7. Karlinha,

    Parabéns pelo post! Mostra que você não é mais a Karlinha, você é a Karla.

    Como vocês estão felizes, dá gosto ver!

    Não existe pai e mãe perfeitos, existem pais que se esforçam e que não se esquecem, mesmo que em alguns momentos pareça tudo muito difícil. Esse tipo de amor se salva o tempo todo.

    Beijos,

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  8. Perfeito! Amei a maturidade e a paz que você demonstra neste texto, de quem tem um coração pleno e apaziguado diante dos aprendizados que temos através dos problemas do caminho! Mesmo sendo tão difícil às vezes! Te adoro amarela e cada dia te admiro mais! Beijão

    ResponderExcluir
  9. Tá certa, viu, Karlinha, tá com a postura correta.

    Bonita a foto, que bom saber que viu teu pai.

    =D

    Um beijo, querida minha.

    ResponderExcluir