11 de fev de 2010

...?


Nós ás vezes temos dificuldades em sentir aquilo que algumas pessoas dizem nutrir por nós. Tudo bem que Shakespeare diz que “... só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama...”, não estou falando disso! Por exemplo, dizer que ama e que se importa e o outro não se sentir amado ou cuidado não tem valia. Falta algo, talvez a presença do próprio sentimento.
Em geral não nos deixamos atingir por situações assim, as pessoas mentem e fingimos que acreditamos que aquilo é sincero, talvez por ser mais fácil, mas há momentos que estamos de fato precisando disso que verbalizam, estamos precisando ser carregados, consolados, cuidados. A vida tende a ser cruel quando menos esperamos. E ser dois nesses momentos é melhor.
Daríamos tudo para que algumas pessoas tivessem olhado para trás. Percebessem que apesar da aparência de fortes e obstinados, precisamos do que qualquer pessoa comum precisa, não somos super-heróis. Há dias que desabamos como todos os outros.
O legal da vida seria que todos pudessem olhar para os lados em algumas ocasiões há quem seja incapaz de olhar para o norte, tendem a ficar com seus olhos voltados apenas para o sul, ou para si mesmo como se o norte não precisasse das mesmas coisas, são dois pesos e duas medidas.
Sentimos falta, mesmo que quando estejamos de frente para essas pessoas não saibamos mais como agir. A distância talvez tenha estragado um pouco da intimidade. De qualquer forma, não saber como agir é melhor do que nem a oportunidade de travar.
Há dias que acordamos assim, com algumas necessidades. Necessidades em preencher espaços vazios. Espaços estes que colocamos no porão para que não nos afete. Mas de vez enquando eles escapam né?

"...é difícil nada contra correntes sempre tão semelhantes..."
(Maitê Proença)


Metade
(Adriana Calcanhotto)

Eu perco o chão
Eu não acho as palavras
Eu ando tão triste
Eu ando pela sala
Eu perco a hora
Eu chego no fim
Eu deixo a porta aberta
Eu não moro mais em mim...
Eu perco as chaves de casa
Eu perco o freio
Estou em milhares de cacos
Eu estou ao meio
Onde será
Que você está agora?...

Karlinha Ferreira

6 comentários:

  1. Toda vez fico Boba com seus posts...
    de Parabéns...

    ResponderExcluir
  2. Era o que eu precisava ler hoje... Voltei!!! Bom ler suas postagens... Revigora. Anima...

    Magal

    P.s.: Estou tentando seguir, mas ainda estou meio perdida nisso. Rs!

    ResponderExcluir
  3. Poly: Adorei!!

    ResponderExcluir
  4. eh incrivel como vc sabe usar as palavras para descrever sentimentos...
    "Há dias que acordamos assim, com algumas necessidades. Necessidades em preencher espaços vazios. "

    Adorei o texto...
    sei lah.. temos sempre neessidades...
    as vezes sentimos mais outras vezes nem nos importamos tanto...
    mas de qualquer forma... segundo uma amiga minha: TUDO PASSA... neh?? rsrsrsrsr

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Arrasou Suh!
    Tudo passa! De fato!
    né? Rs...
    Te adoro amarela...

    ResponderExcluir
  6. Saudade não se expica nem se contenta...

    P.S. acabei de ouvir isso na novela. E não é q é verdade? kkkkkkkkk

    ResponderExcluir